Cinema e Literatura

Star Wars VII – O Despertar da Zoeira – Parte 1


Em uma galáxia muito, muito, mas muito distante mesmo, Finn, Menino-Zika-das-Galáxias viajava tranquilamente pelo universo em sua sedenta busca por vingança contra seu pai, que lhe arrancou um braço. Menino-Zika seguia com seu fiel escudeiro, o dróide amarelo em forma de bola, Jake. No entanto, algo estava para acontecer…

Nos confins do universo, a nave de Finn, a Enterprise, começou a ter sérios problemas ao entrar em uma zona de colisão, por conta uma forte chuva de aerolitos. O dróide Jake ligou todos os escudos da poderosa nave, mas o campo magnético atômico, gerado devido aos mortais aerolitos, parecia ser mais forte que qualquer defesa e estava a minar o casco do transporte espacial.

Desesperado, Finn, Menino-Zika-das-Galáxias, nem notou quando a nave despressurizou e as máscaras de oxigênio foram ativadas. Entre luzes piscando, cirenes tocando e a nave balançando bruscamente para todos os lados, a última coisa que ele viu foi a Aeromoça dizendo para, primeiro, colocarem as máscaras em si mesmos, antes de ajudar os outros. E depois, tudo se apagou.

Enquanto isso, no planeta Voodoo-É-Prá-Jakku, Rey, a Imperatriz Furiosa, voava sobre o deserto em seu picolé gigante,  em busca de peças para montar seu carrinho hot wheels, ao qual iria customizar para disputar o Rally-Dakar. Rey, a Imperatriz Furiosa era considerada uma garota forte desde sua aparição em Mad Max.

De repente, a garota parou seu veículo, embasbacada ao ver duas cápsulas Saiyajin caindo do céu, uma tomando a direção do norte, a outra, em direção ao sul. Rey, então, decide averiguar aquela situação estranha.

Do outro lado da galáxia, uma grande sombra se levantava. Kg Ren, um jovem mimado, que tinha um sabre de luz maneiro, ficou putinho, pois havia colocado sua caneca do Darth Vader, à qual havia ganhado de brinde do ovo de páscoa, no microondas e a mesma derreteu, pois seu plástico era bem vagabundo. Kg Ren manjava das artes da Força. E sua ira estava levando o menino para o lado sombrio. Ele colocou uma máscara que havia comprado para o carnaval do Rio de Janeiro e jurou destruir o universo por causa de sua canequinha. Seu mentor e chefe, Mestre dos Magos, lhe dava total apoio.

Voltando ao planeta Voodoo-É-Pra-Jakku, nossa Imperatriz Furiosa havia chegado ao local onde a capsula Saiyajin que caiu no norte estava. Ela avistou um rapaz que se levantava cambaleante. Devagar, Rey se aproximou. Tonto, o Menino-Zika-das-Galáxias perguntou onde estava e quem era a garota. Ela respondeu desconfiada e, Menino-Zika, também contou o que havia acontecido com ele e sua nave. Porém, ele não disse nada sobre a vingança que havia arquitetado conta seu próprio pai.

No esquadrão da força-aérea de Namekusei, um piloto vinha se destacando nos treinamentos, utilizando um dos mais poderosos simuladores de voo: Flight Simulator 2000. O nome do piloto prodígio era Allan Poe Dameron e sua verdadeira paixão, era escrever histórias de ficção e poesia. Era quase um bardo intergalático. Mal sabie ele, que, em breve, ele teria de deixar as horas do curso de Flight Simulator 2000 e seus poemas de lado, para ajudar a defender o universo.

Já, na extratosfera de Voodoo-É-Prá-Jakku (Tem extratosfera lá?), aquele velho tema clássico de Star Wars começava a tocar, pela nostalgia de velhos personagens que estavam para a parecer. Era a Falcão do Milênio, nave montada a partir das peças das Relíquias do Milênio, do Yu-Gi-Oh. Seu piloto, um clássico: Indiana Jones. Seu copiloto? Nada mais nada menos que nosso querido Yorkshire superdesenvolvido Chewbabacca.

Após uma perseguição que terminou com os vilões da outra nave batendo e explodindo, pois são burros pra caralho, Indiana Jones pousou a majestosa Falcão ao avistar dois jovens voando sobre um picolé gigante, pelas dunas de areia. Os pilotos do picolé logo pararam, pois reconheceram a nave e queriam pedir um autógrafo para o caçador de tesouros.

Indiana, porém, não queria saber de tietagem e foi logo dizendo que tinha uma grande missão encomendada por um amigo de longa data. Ele fora até Voodoo-É-Prá-Jakku especialmente para levar Rey com eles. Porém, tanto Rey, quanto Finn, não concordaram de início. Foi então que o Yorkshire apontou a arma para os dois e grunhiu. Indiana Jones então disse seriamente: Entrem na nave.

Enquanto viajavam, Indiana explicou para os dois que era o novo líder dos Ultra-Jovens e que agora, ele era o responsável pela TV Cruj, uma espécie de organização ultra-secreta. Chewbabacca era o responsável por “dar o play”. Uma senha antiga e poderosa, que apenas os membros da ordem conheciam. Ele explicou também que havia a Força e lendas sobre os chamados Cavaleiros do Zodíaco Jedi. Seres poderosos, que manjavam da Força. Indiana iria levá-los ao planeta ao qual o Mestre do Santuário da Força estava, pois, o mesmo, havia sentido um distúrbio neste poder.

Ainda no planeta Voodoo-É-Prá-Jakku, o dróide amarelo, Jake, conheceu um andróide amarelo, em um bar: C3_PO. Um andróide bem esquisito por sinal. C3_PO disse que se perdeu de seu outro amigo dróide e de seu mestre. Durante isto, ele teve de se prostituir para poder sobreviver. Jake, só fazia aquele barulho igual ao do R2_D2, que eu não sei traduzir, então não sei ao certo o teor da conversa.

Indiana Jones conseguirá levar Menino-Zika e Imperatriz Furiosa até o mestre da Força? Quem é ele? Menino Zika reencontrará Jake? Ele irá se vingar de seu pai? Kg Ren destruirá mesmo a galáxia por causa de sua canequinha? Allan Poe Dameron escreverá poemas sobre o que estará para acontecer? E o que acontecerá com Jake e C3_PO?

Saberemos apenas na parte 2 de “O DESPERTAR DA ZOEIRA”…

referencia capitao